Proposta Pedagógica

O Projeto Político Pedagógico do Instituto Santo Agostinho está centrado no principal sujeito da Educação ─ o educando. Uma das frases que orienta o caminho dos educadores nesse universo escolar é de autoria de Santo Agostinho: “A medida do amor é amar sem medida”.

Estimular a criança da primeira etapa da Educação Básica é essencial, portanto os educadores responsáveis pela Educação Infantil valorizam o universo pueril, repleto de imaginação, curiosidade e brincadeira. Para tal, a Escola disponibiliza ambientes pedagógicos específicos como a sala de aula adequada a essa faixa etária, espaços com os diferentes brinquedos, dentre outros.

O Ensino Fundamental, curso mais extenso da Educação Básica, pois abrange desde a infância até a adolescência, tem como principal característica o pleno desenvolvimento das capacidades cognitiva, social, psicológica e biológica do educando. Considerando a evolução, esse processo é essencial na vida do educando. Na fase inicial do Ensino Fundamental, observa-se o despertar para o conhecimento da realidade, a criança, geralmente, demonstra o prazer pelas atividades propostas e, com o uso do laboratório de ciências, o educando recebe informações e desenvolve tarefas concretas que servirão de base para a consolidação de sua aprendizagem. Para essa faixa etária, a Projeto Político Pedagógico da Escola nos convida a uma reflexão sobre o pensamento de Emília Ferreiro: “Ler não é decifrar, escrever não é copiar”.

Na segunda fase do Ensino Fundamental, estão, no centro da atenção da Escola, os adolescentes e, trabalhar com eles requer outros desafios, a observação, o diálogo e a importância de levá-lo a compreender e interpretar o mundo em que vive, além do desenvolvimento do senso crítico. Os educadores caminham por estradas tortuosas, já que o universo desse educando, na era da informatização, possui multiplicidade de temas, embora não aprofundados. Analisar, refletir, ratificar ou corrigir valores deturpados são ações que necessitam de “sensatez pedagógica” e, como dizia Santo Agostinho: “Não basta fazer coisas boas – é preciso fazê-las bem”.

Ao nosso educando do Ensino Médio é apresentado muito mais do que reprodução de dados, identificação de símbolos, exposição de problemas, a abordagem dos diferentes componentes curriculares possibilitará que o jovem efetue uma argumentação consistente, enfrente conflitos de diferentes naturezas, participe ativamente das aulas com o objetivo de adquirir uma atitude de permanente aprendizado.

Valorizar temas que se apresentam como os principais desafios educacionais contemporâneos, ou seja, a educação ambiental, a tolerância e o conhecimento das diversidades de raça, gênero, cultura, dentre outros é objeto do trabalho dos diversos componentes curriculares da Escola, em todos os três cursos existentes, respeitando as possibilidades de idade.

Ao término do Ensino Médio, o nosso jovem estará preparado para conquistar uma vaga em uma universidade ou faculdade de renome e, consequentemente, terá maiores chances de se tornar um profissional de excelência, pronto para atuar no mercado de trabalho que se faz progressivamente mais exigente.

O projeto de uma escola agostiniana responde às necessidades de um mundo em crise, quando as transformações são tão profundas, fazendo com que o ser humano perca valores imprescindíveis à sua vida. E para que seus educandos se direcionem, a equipe pedagógica, antes de lhes oferecer um currículo escolar de nível elevado, preocupa-se com a formação interior dos mesmos. “O educador agostiniano, consciente da ávida busca da verdade científica em nossa sociedade tecnológica, há de estar disposto a dar aos educandos algo mais profundo: o desejo de aliar a verdade da mente com a verdade do coração.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *